Dados importantes sobre a deficiência de Alfa-1 antitripsina

» A deficiência de Alfa-1 antitripsina é a principal causa de transplante de fígado em crianças.

» A deficiência de Alfa-1 antitripsina foi identificada em todas as populações, mas é mais comum em pessoas de descendência do norte de Europa (Escandinavia e Inglaterra) ou de Iberia (Espanha e Portugal).

» Estima-se que uns 100.000 americanos e um numero similar de europeus têm a deficiência de Alfa-1 antitripsina, e mais 95 por cento das pessoas que se estima ter deficiência de Alfa-1 antitripsina não foram diagnosticadas.

» Estima-se que 26 milhões de pessoas só nos Estados Unidos desconhecem que são portadores do gene anormal que ocasiona a deficiência de Alfa-1 antitripsina e podem passar o gene aos seus filhos. Os portadores também podem estar em risco de padecer de doença pulmonar e/ou hepatica.

» A deficiência de Alfa-1 antitripsina é um transtorno mundialmente subdiagnosticado e que com muita frequência é diagnosticado incorretamente como asma ou doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) ocasionada pelo fumar.

» É comum as pessoas com deficiência de Alfa-1 antitripsina passarem em media 7 anos de sua vida sem saber o que tem e depois de consultar um medico ainda ficarem cerca de 3 anos até o seu correto diagnostico.

» A Organização Mundial de Saúde (Reunião 1996) recomenda que todas as pessoas com DPOC e todos os adultos e adolescentes com asma, a fazerem dosagem de alfa-1 antitripsina sérica.